Fanpage macrofotografia.com.br
Review lente Canon EF 100mm f/2.8L macro IS USM - macrofotografia.com.br
Review lente Canon EF 100mm f/2.8L macro IS USM

Introdução
A lente Canon EF 100mm f/2.8L Macro IS USM foi anunciada em Setembro de 2009 sendo a primeira lente macro Canon com sistema de estabilização de imagem (IS - Image Stabilizer). Além disso, ela foi a primera lente a incorporar o sistema de estabilização hibrido (Hybrid-IS), que promete manter a definição da imagem até 4 pontos abaixo da velocidade recomendada (1/distância focal da lente) em fotografia normal ou até 2 pontos em macrofotografia (ampliação 1:1). Esse sistema, além de estabilizar a imagem horizontalmente e verticalmente, trabalha paralelo ao plano do sensor, fator muito crítico em macrofotografia.

Além disso, ela é a segunda lente macro Canon da série "L", sendo a primeira a Canon EF 180mm f/3.5L USM macro. As lentes dessa série são conhecidas por sua excelente qualidade ótica aliada a uma construção com corpo mais resistente às interpéries como água e poeira. E, como nas outras lentes da série L, vem de fábrica com parassol e case para transporte.

Primeiras impressões
As primeiras impressões ao pegar a nova 100mm macro Canon são boas. A lente tem quase o mesmo comprimento da antigaEF 100mm f/2.8 USM macro (11,9 cm na versão anterior para 12,3 cm no novo modelo) mas aparenta maior por causa de seu formato mais tubular e diâmetro maior para filtros, agora de 67 mm.

Ela apresenta uma janela com a distância de foco e ampliação próxima a sua boca e a tradicional marca das lentes L, ou seja, um anel vermelho circundando a lente próximo à rosca para filtros. Na sua parte superior há um grande texto escrito Canon Macro 100mm, no lado direito Image Stabilizer Ultrassonic e no lado esquerdo botões para controle de foco e establizador de imagem, sendo estes 3 botões:
- seletor de foco: opções para o foco automático: 0,3 m - 0,5 m (1:1 a 1:3); 0,5 m - infinito; FULL (0,3m - infinito).
- seletor de foco automático ou manual.
- seletor para ligar ou desligar o estabilizador de imagens (IS).
Vale lembrar que ela possue também sistema FTM (Full Time Manual), permitindo que o foco seja ajustado manualmente mesmo quando a lente está em posição de foco automático.

O peso é praticamente o mesmo da versão 100 mm anterior (600 g contra 625 g para o novo modelo).

Testes
Fazer a análise de uma lente como essa é um pouco mais trabalhoso que com uma lente normal. Como seu maior destaque é o seu uso em macrofotografia, atingindo uma ampliação de 1:1, acho justo que a lente seja analisada em sua ampliação máxima.

O primeiro passo para os testes foi definir um modelo que permitisse comparar os resultados em grandes ampliações. Após pensar e fazer alguns testes cheguei a conclusão que o melhor modelo seria uma nota de R$ 1 que eu tenho guardada (uma nota que assim que saiu em circulação foi guardada, ou seja, está em perfeito estado de conservação). Um dos fatores para essa escolha é que as notas são feitas com muito cuidado para evitar falsificações, o que faz com que tenham uma impressão muito fina com detalhes que chegam a ser microscópicos.

Nos testes a seguir foi usada a câmera Canon EOS 5D (fullframe 12,8MP) com as imagens salvas me formato JPG Fine. Quando necessário foi usado tripé com cabeça ballhead e trilho de foco para ajuste milimétrico e em alguns casos flash Canon MR-14EX.

O primeiro teste comparativo é sobre a definição de imagem para diferentes aberturas. Todas as lentes possuem uma faixa de aberturas com uma melhor definição de imagem. Essa lente possue aberturas que vão de f2.8 a f32 e o comparativo foi feito com a câmera em tripé, velocidade 1/200, flash MR-14EX em modo TTL com compensação +1 e variando as aberturas entre a máxima e mínima de 1 em 1 ponto. Foi feito um comparativo com duas áreas com corte 100% da imagem, uma ao centro e outra no canto inferior esquerdo da imagem.

Imagem com destaque para as áreas com corte 100% comparadas:

Definição da imagem em diversas aberturas no centro da imagem
Corte 100% da imagem em alta resolução.

f2.8 f4 f5.6 f8 f11 f16 f22 f32
(coloque o mouse sobre a abertura para carregar a imagem).

Definição da imagem em diversas aberturas no canto inferior esquerdo da imagem
Corte 100% da imagem em alta resolução.

f2.8 f4 f5.6 f8 f11 f16 f22 f32
(coloque o mouse sobre a abertura para carregar a imagem).

Em ambos os casos a melhor definição de imagem ficou entre aberturas f5.6 e f11, com bons resultados para f4 e f16, razoáveis resultados para f2.8 e f22 e pior resultado, com grande perda de detalhes, para abertura f32. Esse é um fator que deve ser levado em consideração por quem faz macrofotografia: mesmo a macrofotografia tendo uma profundidade de campo pequena, não recomendo trabalhar na menor abertura da lente para ganho de profundidade já que terá muita degradação da imagem (e isso serve para qualquer lente). Na prática, de maneira comum, as melhores aberturas para trabalho para conciliar profundidade de campo e definição de imagem são entre f8 e f16.

Definição da imagem com uso do estabilizador de imagem Hybrid-IS
Imagens redimensionadas para tamanho apresentado.
IS Ligado
1/6 f2.8
IS Desligado
1/6 f2.8
(coloque o mouse sobre Ligado ou Desligado para carregar a imagem).

Imagens redimensionadas para tamanho apresentado.

IS Ligado
1/8 f5.6
IS Desligado
1/8 f5.6
(coloque o mouse sobre Ligado ou Desligado para carregar a imagem).

Corte 100% da imagem em alta resolução.

IS Ligado
1/8 f5.6
IS Desligado
1/8 f5.6
(coloque o mouse sobre Ligado ou Desligado para carregar a imagem).

Nesse teste, feito com a câmera na mão, pelo menos 3 imagens de cada e ao final selecionadas a duas com melhor resultado, dá para perceber que o sistema de estabilização de imagens funciona em ampliação 1:1 (mesmo não sendo tão efetivo quanto em fotografia normal). Esse é um avanço que realmente fará diferença na fotografia macro na natureza quando se deseja aproveitar mais a luz natural, tornando necessário o uso de uma velocidade mais baixa de disparo.

Conclusões
Apesar de um preço mais elevado que o modelo sem estabilizador (R$ 3.800,00 no Brasil e US$ 1.050,00 nos EUA), é uma lente que justifica seu valor e, se comparada com outras lentes Canon da série L, percebe-se que não é uma lente cara para o seu propósito. Além disso ela já vem com parassol, acessório que é vendido separadamente para outras lentes por um valor absurdo e case para transporte.

Como desvantagem, o seu diâmetro maior (67 mm) faz com que seja necessário o uso de filtros de maior diâmetro (e mais caros) e para o uso dos flashes macro Canon (MR-14EX e MT-24EX), muito bem vindos na macrofotografia, é necessário o uso do adaptador Macrolite 67 que custa quase US$ 40 nos EUA.

Mais reviews dessa lente
- DPReview
- The-Digital-Picture

Veja aqui artigo comparativo das lentes macro Canon e comparativo das lentes 100mm macro Canon.

Texto publicado originalmente por por Tacio Philip em 07/12/2009.



Copyright 2003/2020 - Tacio Philip
Proibida a cópia total ou parcial de qualquer material deste site (fotografias, ilustrações, textos, vídeos etc.) sem a autorização por escrito do autor e citação da fonte.